Segunda, 25 de Outubro de 2021
32°

Poucas nuvens

Sousa - PB

Brasil BRASIL

Adesão de policiais a bolsonarismo radical nas redes sobe 24% em um ano

Dado está em levantamento feito pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública, que estima em 116 mil os policias da ativa mais radicalizados

02/09/2021 às 11h09
Por: Redação Fonte: Metrópoles
Compartilhe:
Dado está em levantamento feito pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública, que estima em 116 mil os policias da ativa mais radicalizados (Foto retirada do Metrópoles)
Dado está em levantamento feito pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública, que estima em 116 mil os policias da ativa mais radicalizados (Foto retirada do Metrópoles)

Levantamento realizado pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública indica que a presença de profissionais das forças de segurança federais, estaduais e distritais em redes bolsonaristas aumentou quatro pontos percentuais (27%) entre 2020 e 2021, de 17% para 21%. Já os que interagem nas redes em ambientes bolsonaristas radicais, onde circulam ideias antidemocráticas, como pedidos pelo fechamento do Supremo Tribunal Federal (STF), também cresceram em quatro pontos percentuais (24%), de 13% em 2020 para 17% este ano.

“Se todos os policiais militares, civis e federais tivessem perfis no Facebook e Instagram, os percentuais da pesquisa seriam proporcionais a 209.062 profissionais dessas corporações que estão interagindo em ambientes bolsonaristas. Desses, 116.094 em ambientes radicalizados que advogam atos antidemocráticos”, explica o sociólogo Renato Sérgio de Lima, que preside o FBSP.

O especialista avalia que o aumento expressivo da radicalização não acontece apenas entre os membros de forças de segurança. Nota-se que é uma resposta à postura cada vez mais extremada do próprio presidente Jair Bolsonaro (sem partido). “Não é algo específico dos policiais, porque essa radicalização tem acontecido em várias esferas do cotidiano da política”, frisa Renato Sérgio.

Veja os números da pesquisa detalhados por forças e no geral:

Estratégia eleitoral

O sociólogo afirma que, além de Bolsonaro, outras lideranças políticas ligadas aos policiais têm interesse em incentivar a radicalização para buscar frutos eleitorais no próximo ano.

“Representantes, como a [deputada deferal] Carla Zambelli, têm interesse em colocar fogo no debate, porque eles sabem que, se o Senado não avançar com a reforma eleitoral e a proposta que recria as coligações, eles vão precisar de muitos votos para se eleger e não vão contar com puxadores do tipo Eduardo Bolsonaro e Joice Hasselmann, que juntos tiveram quase três milhões de votos em São Paulo”, analisa. “Todos os egressos das polícias que queiram andar no campo bolsonarista estão tendo de radicalizar o discurso para ficar em evidência”, completa.

Preocupação para 7 de Setembro

A parcela de policiais que flerta com ideias antidemocráticas virou tema de preocupação para especialistas e políticos por causa da adesão de profissionais das forças de segurança aos atos que o presidente Jair Bolsonaro está convocando para o próximo dia 7 de Setembro e que têm o Poder Judiciário como alvo.

Essa adesão ficou explícita com episódios, como a defesa, pelo presidente da maior associação nacional de representação de policiais militares, da participação dos servidores nas manifestações, desde que “desarmados e à paisana” e a convocação feita por um agora ex-comandante de tropas da PM em São Paulo.

A preocupação é mostrada pelo governador paulista, João Doria (PSDB), por exemplo, que disse na quarta-feira (1º/9) ter orientado a Polícia Militar a revistar todos os presentes nas manifestações marcadas para o dia 7 de setembro em São Paulo, tanto a favor quanto contra o presidente Jair Bolsonaro. O tucano frisou que não será permitido “qualquer tipo de armamento, mesmo de policiais aposentados”.

Os atos contarão com o reforço de 5 mil policiais em Brasília. As equipes atuarão na preservação da ordem e na proteção de prédios e instalações públicas, como o Congresso Nacional e o Supremo Tribunal Federal (STF). O efetivo foi confirmado ao Metrópoles pelo governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB).

Sobre a pesquisa

Para fazer a análise, foram coletados dados sobre efetivos policiais no Portal da Transparência do Governo Federal e nos seus congêneres estaduais e do DF. Após delimitação dos tamanhos dos efetivos das corporações, foi extraída amostra estatisticamente representativa de 651 usuários no Facebook e Instagram com cargos em instituições de polícia, garantindo, segundo os pesquisadores, nível de confiança de 95% e 3% de margem de erro em relação ao universo coletado dos portais.

Ao mapear as atividades de 651 profissionais de segurança nas redes, observou-se a presença daqueles que interagem em ambientes bolsonaristas entre os meses de janeiro e agosto de 2021, que foram agrupados em radicais e orgânicos.

A pesquisa só coletou dados de páginas públicas – perfis privados não foram acessados. Em respeito à Lei Geral de Proteção de Dado( LGPD ), todos os dados foram agregados e anonimizados, de modo que nenhuma análise individualizada possa ser feita.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.