Segunda, 18 de Outubro de 2021
26°

Poucas nuvens

Sousa - PB

Justiça DENÚNCIA DO MPF

TRF remete para julgamento na 8ª Vara Federal de Sousa ação penal em desfavor de Fábio Tyrone e Gilberto Sarmento

O TRF 5ª Região, em Recife-PE, declinou competência para o juízo da 8ª Vara Federal de Sousa julgar ação penal contra os gestores.

24/09/2021 às 11h46 Atualizada em 29/09/2021 às 15h56
Por: Redação Fonte: Da Redação do Debate Paraíba
Compartilhe:
O TRF 5ª Região, em Recife-PE, declinou competência para o juízo da 8ª Vara Federal de Sousa julgar ação penal contra os gestores. (Foto: Reprodução).
O TRF 5ª Região, em Recife-PE, declinou competência para o juízo da 8ª Vara Federal de Sousa julgar ação penal contra os gestores. (Foto: Reprodução).

O Plenário do Tribunal Regional Federal da 5ª Região, em Recife-PE, declinou competência para o juízo da 8ª Vara Federal de Sousa julgar ação penal, nº 0001459-73.2012.4.05.8202, acionada pelo Ministério Público Federal em desfavor do prefeito de Sousa, Fábio Tyrone Braga de Oliveira, do Diretor do Hospital Regional de Sousa, Gilberto Gomes Sarmento e do médico, Sydney Toscano Loureiro de França pela prática do ilícito tipificado, em duas vezes, no artigo 89, da Lei nº 8.666/93, fraude em licitações. Clique Aqui e veja a decisão.

O declínio da competência do TRF para o juízo de primeira instância se deu em virtude dos fatos, objeto da ação penal datarem de 2011 e 2012, não tendo, portanto, relação com o vigente mandato exercido pelo corréu Fábio Tyrone, atual prefeito do município de Sousa-PB.

De acordo com a narrativa constante da denúncia do MPF (que tem por fundamento o Inquérito Policial n.º 0103/2012, autuado na Justiça Federal sob o n.º 0001459-73.2012.4.05.8202), o Centro Médico de Prevenção de Glaucoma Ltda, atuando por meio de seu sócio-administrador, Sydney Toscano, teria sido indevidamente contratado (em 30 de junho de 2011), pelo prazo de três meses, por meio do irregular procedimento de Inexigibilidade de Licitação nº 18/2011, o qual foi ratificado, na época dos fatos, pelo então prefeito, Fábio Tyrone e Secretário de Saúde do Município, Gilberto Sarmento, no mesmo dia da assinatura do contrato (30 de junho de 2011). Ainda, conforme o MPF, no dia 08 de novembro de 2011 a prefeitura de Sousa celebrou outro Contrato nº 0534/2011, no valor de R$ 121.457,40, sem qualquer procedimento prévio de dispensa ou de inexigibilidade de licitação, tendo sido pago pelo então prefeito, no período de 2011 a 2012, o montante de R$ 704.560,48. 

Para o Ministério Público Federal, o procedimento de inexigibilidade de licitação utilizado pelo município de Sousa para a contratação do Centro Médico de Prevenção de Glaucoma Ltda foi totalmente ilegal, haja vista não se enquadrar em qualquer situação que justificasse uma inviabilidade de competição entre os possíveis interessados. 

“Tal situação denota a intenção de realizar a contratação da referida empresa sem que qualquer competição fosse realizada, e que "antes mesmo de qualquer ato praticado pela CPL, já consta despacho do prefeito Fábio Tyrone Braga de Oliveira (fl. 18, Apenso I) autorizando a abertura do procedimento, no qual ele já indica a contratação direta do citado Centro Médico”, afirma MPF na denúncia.

Como as audiências de instrução, interrogatórios dos réus, alegações finais e parecer do MPF foram realizados e juntados aos autos da ação penal desde 2019, o processo chega na 8ª Vara federal de Sousa concluso para julgamento do magistrado.

Leia também: Após contratar mais de 600 prestadores de serviços, prefeito de Sousa anuncia concurso público com apenas 249 vagas

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Sousa - PB Atualizado às 00h47 - Fonte: ClimaTempo
26°
Poucas nuvens

Mín. 22° Máx. 36°

Ter 35°C 22°C
Qua 36°C 22°C
Qui 37°C 22°C
Sex 36°C 23°C
Sáb 36°C 23°C
Horóscopo
Áries
Touro
Gêmeos
Câncer
Leão
Virgem
Libra
Escorpião
Sagitário
Capricórnio
Aquário
Peixes